quarta-feira, 26 de abril de 2017

CAIO IBELLI TOCA O SINO

E as estrelas da WSL migram para Saquarema

O surfista do Guarujá Caio Ibelli é o quarto brasileiro que tem a honra de tocar o tradicional sino, troféu ofertado ao campeão (e vice) do evento Rip Curl Pro Bells Beach, no Estado de Victoria, no sul da Austrália.

CAIO IBELLI COM O “SININHO” DE VICE-CAMPEÃO EM BELLS BEACH
FOTO: KELLY CESTARI \ WSL

A performance do brasileiro na emblemática onda australiana entra para a história. Caio exibiu uma bela linha nas perfeitas, porém difíceis de serem bem surfadas, direitas de Bells Beach. A bateria final foi de alto nível, com ambos os surfistas atingindo scores acima de nove. Resultado final: Jordy 18,90 contra 17,46 de Caio.

CAIO COM ESTILO PERFEITO NO BOWL DE BELLS DURANTE O ROUND 2

O SINO PRINCIPAL, COM O SUL AFRICANO JORDY SMITH, TRAZ O NOME DE TODOS OS 55 CAMPEÕES ANTERIORES DO EVENTO
FOTOS: CESTARI \ WSL

Caio Ibelli é um mês mais velho do que Gabriel Medina, ambos nasceram no final de 1993 e estavam juntos na histórica final do Quiksilver - King of The Groms de 2009, na França, na qual Medina conseguiu seu primeiro score perfeito de 20 pontos numa final. A carreira de Gabriel decolou antes, de forma vertiginosa, com duas vitórias no WCT já em 2011, o título mundial Pro Junior de 2013 e o WCT do último ano da ASP em 2014.

Vou aproveitar este blog para contar uma pequena história. Comecei a trabalhar mais forte na montagem de meu livro A GRANDE HISTÓRIA DO SURF BRASILEIRO a partir de 2012. De 2010 a 2012 eu trabalhei no marketing da HD, que estava sendo reativada pelo Grupo Eixo. Não participei da contratação de Adriano de Souza, que mais tarde veio a se transformar no segundo campeão mundial de surf profissional masculino do Brasil, com patrocínio de uma marca 100% nacional, mas cheguei a estruturar uma equipe com campeões mundiais como Pedro Henrique, Pablo Paulino, Leco Salazar (SUP) e outros grandes atletas, como Renan Rocha, Ricardo Ferreira, Lucas Chumbinho... Durante este processo de montagem da equipe (ainda em 2010), fui visitar meu amigo Luiz Henrique Campos, o Pinga, que cuidava da equipe da Oakley e tinha como um dos atletas que trabalhava desde muito jovem – Caio Ibelli. Minha ideia era colocar a HD no bico da prancha de Caio, mantendo a Oakley como patrocinadora de eyewear. Lembro bem de uma das frases espontâneas de Pinga nesta reunião: “Você está querendo me tirar o Neymar”. Vejam bem, estamos falando de 2010, era o ano da Copa da África e Neymar era uma estrela “potencial” do futebol mundial, como Medina e Caio. A ideia não vingou. Ibelli ficou na Oakley. Falamos sobre as carreiras de Gabriel, Adriano e do potencial de um surfista como Caio Ibelli... A “Brazilian Storm” nem estava no horizonte.
Chegou 2014, apesar de Neymar, o Brasil naufragou na Copa de Futebol e Gabriel Medina salvou a honra da nação em Pipeline, no final daquele ano. Veio 2015 e consolidamos a posição brasileira na (agora) WSL, com a vitória de Adriano de Souza e diversos outros títulos, entre eles a conquista do QS por Caio Ibelli.

Em fevereiro de 2010, Caio estava com 16 anos, eu assistia na internet a transmissão do campeonato da Pena realizado em Fernando de Noronha, com ondas imensas, paredes de 4 metros. Me chamou a atenção uma rasgada de backside dele com muita segurança, borda enfiada na água, torque, pressão acima e além de sua idade. Para mim ficou claro, ali naquele momento, que era um surfista fora de série. Mesmo antes de eu me tornar um jornalista de surf, sempre tive muito faro para perceber novos talentos surgindo, não só no Guarujá. Primeiro com Paulo Tendas e Tinguinha. Depois com Taiu e Jorginho Pacelli, atirados "beyond their years" (precocemente) nas ondas grandes de Pitangueiras. Com Caio foi a mesma coisa. Eu já havia reparado naquele loirinho arrepiando as valinhas entre a Ilha e o Maluf, mas aquele glimpse da onda gigante na Cacimba do Padre foi algo especial. Outro talento da Ilha de Santo Amaro, que eu trouxe para a equipe HD com 10 anos de idade foi Eduardo Motta, da Prainha Branca. Hoje ele está na Billabong e é um dos maiores vencedores das categorias de base do Brasil. Tudo aponta para uma carreira brilhante, é só seguir o esquema e os passos que foram dados por Mineirinho e Ibelli, com a visão de Pinga; ou ainda como Charles direcionou a carreira do enteado Medina. No caso de Mottinha, não tem como dar errado. Será outro grande talento do Guarujá.
Voltando ao caso de Caio Ibelli, naquele mesmo ano de 2010 ele já se apresentou como um dos poucos brasileiros, a estampar uma capa da revista Surfing da Califórnia, em uma onda de "responsa". Já com 17 anos a promessa estava se concretizando, no ano seguinte viria o primeiro título mundial.


CAIO IBELLI, INDONÉSIA, CAPA DA SURFING DE DEZEMBRO 2010
FOTO: JIMMY "JIMMICANE" WILSON

RECORTE DO ÁLBUM DE FOTOS DA WSL, FOTOS DO INÍCIO DE 2012. CAIO IBELLI FOI CAMPEÃO MUNDIAL PRO JUNIOR DE 2011, AO LADO DA HAVAIANA LEILA HURST

Vamos recordar um pouco mais. Esta final da temporada 2011 do Billabong Pro Junior foi disputada na Gold Coast, no point break de Burleigh Heads e Caio derrotou o australiano Garret Parkes, em um raro playoff, após acabarem empatados no ranking.

Dois anos antes foi a vez de Silvana Lima se transformar na primeira brasileira a vencer em Bells Beach. Silvana ficou por duas vezes com o vice-campeonato mundial, lutando bravamente em uma fase avassaladora de hexacampeã Stephanie Gilmore, adentrando esta década de 10.
APÓS A VITÓRIA DE 2009 SILVANA LIMA FEZ ESTA TATUAGEM
IMAGEM RECORTADA DO SITE EXPLORER GIRLS.COM

Silvana Lima saiu e regressou ao WCT feminino por duas vezes nesta década e continua sendo a grande expoente do surf feminino brasileiro da atualidade. Estamos trabalhando para cobrir esta lacuna da categoria feminina, isso em meio a fase mais gloriosa entre os homens.


SILVANA VOANDO EM BELLS, 2017. A ÚNICA BRASILEIRA ENTRE AS 17 SURFISTAS DE ELITE E A MAIS VELHA E TARIMBADA DAS TOP 17, AOS 32 ANOS
FOTO: ED SLOANE \ WSL

Voltando mais ainda no tempo, é importante lembrar o pódio de Teco Padaratz em Bells. Também segundo colocado na “longínqua” temporada de 2000, ano em que, durante o recesso de Kelly, Sunny Garcia sagrou-se como o segundo havaiano a erguer a taça da ASP (após Derek Ho – 1993). Teco foi o melhor brasileiro na elite em 1994 (8º) e em 2000 (10º), fora suas duas vitórias no WQS, primeiro campeão em 1992, quando houve a divisão oficial entre WCT e WQS e primeiro bicampeão do QS em 1999. Seu irmão Neco também seria um dos poucos bicampeões do QS nas temporadas de 2003 e 2004. Flávio Padaratz fez a final de Bells em uma bateria que foi levada para um pico secreto no belo cenário da Great Ocean Road, no Estado de Victoria.

SUNNY GARCIA E TECO PADARATZ  RIP CURL PRO BELLS 2000
FOTO: ARQUIVOS DA WSL

Em 2013 Adriano de Souza foi o primeiro surfista da categoria masculina a conquistar o badalado sino. A euforia foi tanta que Mineirinho arrancou o sino e isso entrou para a história também.

Voltando para 2017, de Bells que tem campeonatos realizados desde o início dos anos 1960, a elite prepara as malas para enfrentar as ondas de Saquarema. Quase tão emblemática quanto Bells, a praia de Itaúna entrou para o cenário das competições em 1975, com ondas espetaculares e a vitória de Betão Marques no primeiro Festival Nacional lá realizado. Saquarema foi o palco de eventos incríveis e quando foi inaugurado o Circuito Brasileiro de Surf Profissional – ABRASP, em 1987, estava presente com o Town & Country Pro, vencido por Fred d’Orey. Apenas em 2002 a praia de Itaúna foi a sede da etapa brasileira do WCT da ASP, com vitória de Taj Burrow.

REPRODUÇÃO DE UMA DAS PÁGINAS DUPLAS DE ABERTURA DO
VOLUME 1 DO LIVRO A GRANDE HISTÓRIA DO SURF BRASILEIRO

RECENTEMENTE FORAM REALIZADAS ETAPAS DO WQS EM ITAÚNA, COM MUITO SUCESSO E ONDAS DE RESPEITO
FOTO: PEDRO MONTEIRO
ARTE DE FERNANDO MESQUITA

A expectativa é grande, a partir de 9 de maio de 2017, com o início do período de espera (até dia 20), da quarta etapa do WCT da WSL. Aguardem uma análise da participação brasileira neste evento aqui no blog HISTÓRIAS DO SURF, bem como uma outra postagem com a PARTE 2 da entrevista com Maraca, uma homenagem mais profunda a este grande surfista brasileiro, que passou seus últimos dias morando em Saquarema.
Todas estas informações e muitas outras estarão presentes no livro A GRANDE HISTÓRIA DO SURF BRASILEIRO, que tem a previsão de ser lançado a partir do final deste ano.

A abertura do livro (em cada um de seus 5 VOLUMES de 132 páginas cada - obra TOTAL 660 páginas) prevê a apresentação de três fotos históricas, com imagens representativas de SURFISTAS \ PRAIAS \ CAMPEONATOS nas páginas duplas de abertura. Além da imagem acima, já estão montadas as artes abaixo, com projeto gráfico de Fernando Mesquita.


(click e amplie as imagens que dá para ler)


E um esboço da capa (que ainda pode sofrer alterações).
Lançamento do livro previsto para novembro 2017.
LEGENDAS DA CAPA (click e amplie)

Convido novos potenciais apoiadores ao projeto, que inclui este blog, para participar. Em fevereiro deste ano o projeto do livro (apenas para o VOLUME 1 de 5), foi aprovado pela Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo no PROAC-ICMS, com o Número 21390, aberto para consulta pública.


Para mais informações: WWW.HSURFBR.COM.BR

Nenhum comentário:

Postar um comentário