terça-feira, 26 de setembro de 2017

PENHO & SAQUAREMA

Instituições do Surf Brasileiro

Um dos principais capítulos no primeiro de 5 volumes do livro “A Grande História do Surf Brasileiro” é sobre Saquarema e região. O (antigo) vilarejo da Região dos Lagos, no Estado do Rio de Janeiro, é lendário e instrumental com praias, campeonatos e surfistas residentes marcantes.


FOLHETO PUBLICADO PELA VISUAL ESPORTIVO DO VI (SEXTO) FESTIVAL DE SAQUAREMA REALIZADO EM 1981
IMAGEM DO ACERVO DO SURFISTA BAIANO GUIGA MATOS

ABERTURA DA MATÉRIA PUBLICADA NA FLUIR # 360 EM 2015

Nesta postagem estarei reproduzindo uma prévia do texto original de uma matéria que preparei para o Editor Chefe da revista Fluir em 2015, Adrian Kojin. A matéria acabou saindo com enfoque diferenciado, destacando a história de Penho e a introdução das pranchas MINI MODELS na América do Sul.
Logo abaixo segue o texto (como concebi originalmente) enviado para a FLUIR em setembro de 2015. Estou ilustrando com outras fotos que fui garimpando na web e que tirei com meu celular.

No final reproduzo as 14 páginas que saíram publicadas na revista com a bela edição de meu amigo Adrian Kojin.

CAPA DA EDIÇÃO DA FLUIR EM QUE SAIU A MATÉRIA
EDIÇÃO DE 32 ANOS – OUTUBRO 2015 – ÚLTIMO ANIVERSÁRIO DA FLUIR
JOHN JOHN FLORENCE – TEAHUPOO – FOTO: DOMENIC MOSQUEIRA

ENJOY THE READING…
MUITAS INFORMAÇÕES PARA QUEM CURTE UMA BOA LEITURA

SAQUAREMA
Surf Trip de Pesquisa

Por Reinaldo “Dragão” Andraus

No final de julho e início de agosto de 2015 estive em Saquarema para entrevistar alguns importantes surfistas para o projeto do livro “A GRANDE HISTÓRIA DO SURF BRASILEIRO”, que deve ser lançado em breve.
Este livro será uma espécie de atualização, com uma roupagem totalmente diferente, da revista - edição especial da Fluir, lançada em 1989: “A HISTÓRIA DO SURF NO BRASIL – 50 ANOS DE AVENTURA” escrita por Alex Gutenberg.

Acompanhando o meu trabalho de pesquisa, divulgado no BLOG – Histórias do Surf, o diretor de redação da Fluir, Adrian Kojin, achou interessante face ao remodelado projeto editorial da revista, desenvolver um texto que trouxesse um relato dessa viagem, rápida, com praticamente “zero” ondas, mas com muitas histórias vibrantes.
Três importantes e experientes surfistas brasileiros hoje residem em Saquarema: Penho, Maraca e Russell Coffin, com a retaguarda dos moradores da cidade do Rio de Janeiro, Otávio Pacheco e Jacques Nery, frequentadores de Saquarema de longa data, importantes informações históricas foram coletadas. Estes surfistas ajudaram a construir os alicerces para as gerações atuais. Em especial Carlos Eduardo Siqueira Soares por seu pioneirismo.
Penho fazia as coisas e os outros iam atrás. Há mais de quarenta anos ele se mudou definitivamente para Saquarema.

CLÁSSICA FOTO DE PENHO IMITANDO UM HANG TEN EM UMA VEMAGUETE
FOTO: TITO ROSEMBERG – ANOS 60
PENHO E TITO NO SAARA EM 1972, EM BUSCA DE ONDAS NUNCA SURFADAS
ARQUIVO PESSOAL TITO

A MAGIA DE SAQUAREMA RETRATADA EM QUADRO DO ARTISTA LEANDRO SILVA, QUE VAI PREPARAR UM MAPA ESPECIAL DA REGIÃO PARA O LIVRO A GRANDE HISTÓRIA DO SURF BRASILEIRO

VOLTEMOS AO TEXTO QUE PREPAREI PARA A FLUIR EM 2015
Se perguntarmos em uma enquete abrangente acredito que cinco de cada dez surfistas brasileiros, que já surfaram nosso litoral de norte a sul, apontariam as ondas de Saquarema, no Rio de Janeiro, como as melhores do Brasil. Eu sou um destes. Está aí uma coisa interessante para buscarmos uma amostragem significativa e realizar.
Independente disso, a importância de Saquarema no cenário do surf brasileiro é inegável e notável. 

Eu comecei a surfar no Guarujá, em São Paulo, ainda na era dos longboards, em 1969, com um pranchão Glaspac MK3. Quando ganhei minha primeira prancha, pesada e com quase 3 metros, que eu (um garoto franzino de 12 anos) mal conseguia carregar, nem tinha ideia da existência das mini models. Estreei meu pranchão na Páscoa de 1969 e fiquei louco da vida em julho daquele ano, quando voltei para a loja da Glaspac (Surfboards) na Av. Santo Amaro, para buscar exemplares da revista SURFER que vendiam lá, e vi uma prancha com bico pontudo, bem menor que a minha. Uma prancha parecida com a que Penho está segurando na foto acima e que (mais tarde) ele me disse que ajudou o pessoal da Glaspac a desenvolver o design.
Na verdade, a “Shortboard Revolution”, a revolução que transformou os pranchões em pranchinhas, já estava em curso na América do Norte, no Hawaii e principalmente na Austrália. Um pequeno grupo de shapers revolucionários estava desenvolvendo estas pranchas em um processo de pura alquimia – tentativa e erro. Penho teve um papel instrumental neste processo e em como estas “novas” pranchas chegaram ao Brasil.
Para nós de São Paulo, que tínhamos o Rio de Janeiro como o grande parâmetro de evolução e performance naqueles embrionários anos do surf, tudo chegava com um pouco de atraso. Desde meados de 1968 aquelas pranchas mini models, começaram a ser desenvolvidas no Brasil. A Glaspac, que também fazia aqueles buggys de fibra de vidro, era a principal fábrica de pranchas do estado de São Paulo. No começo de 1969 eles ainda não produziam pranchas mini. A vanguarda do surf no Brasil estava no Rio de Janeiro, o epicentro era o Arpoador e o “objeto de desejo” uma região, 100 quilômetros ao norte, que tinha ondas fantásticas – Saquarema.
No final dos Anos 60 o Píer de Ipanema ainda nem existia, Copacabana ainda não havia sido aterrada e a praia tinha diversas valas. A maioria dos surfistas ainda usava pranchões de quase três metros. O filme Endless Summer era a nossa maior referência, desde 1967. O espírito de sair viajando em busca de ondas perfeitas, atrás de novos horizontes, já havia sido absorvido pelos surfistas brasileiros. Saquarema foi o primeiro sonho de surf trip alimentado por aqui, a nossa primeira meca particular, brasileira. A cidade tem uma relação especial com o surf. Haverá um capítulo específico sobre a região em meu livro. Por isso fui até Saquarema buscar informações e conversar com quem abriu o caminho.

A DESCOBERTA DE SAQUAREMA PARA O SURF
Pelo que pesquisei até o momento, quem percebeu que as ondas eram especiais para o surf em Saquarema foi um dos pioneiros surfistas, da turma da pesca submarina, Armando Serra (ele tem a mesma idade que o Penho), que foi até lá para fazer uma pescaria com o amigo “Tute” - Knute Aune, um dos big riders do início dos anos 60. Eles estavam sem pranchas nessa ocasião. Mas voltaram, ainda em 1964, época em que as únicas pranchas eram as de madeirite e surfaram ali pela primeira vez.
Em seguida surgiram as pranchas de fibra e as histórias das ondas daquele vilarejo foram passando de boca em boca na pequena turma do surf que crescia. Penho, Russell, John Hansen, Maraca, Tito Rosemberg, Persegue e outros surfistas começaram a frequentar a região e desbravar além, até Arraial do Cabo, Cabo Frio e Búzios, logo perceberam o quão especial era Saquarema. Armando Serra chegou a morar lá por quase um ano entre 1967 e 1968, teve uma confecção de moda feminina em Bacaxá, produziu alguns calções customizados para o surf, só para ele e os amigos, mas no final daquela década foi abandonando o surf para se dedicar à pesca submarina.
FOTO DO ACERVO DE ARMANDO SERRA, COM RUSSELL COFFIN MEXENDO NA PORTA DO CARRO, ARMANDO SERRA PARAFINANDO A PRANCHA E MONICA SAMPAIO, GERALDO FONSECA E JORGE “PERSEGUE” BALLY ATRÁS. REPAREM NO CALÇÃO DE ARMANDO, PARECIDO COM OS QUE MICKEY DORA USAVA EM RIDE THE WILD SURF – MAR RAIVOSO, FOI CONSTRUÍDO NO BRASIL

Já existiam algumas poucas casas de veraneio por lá, os surfistas mais espertos, todos jovens, namoravam com as meninas que os pais tinham casas ao redor da igreja. As jornadas eram pela barca que fazia a travessia da Baía da Guanabara, pois a Ponte Rio- Niterói só foi inaugurada em 1974. O início dos anos 70 foram instrumentais na evolução do surf brasileiro. As pranchinhas se estabeleceram moldando um novo estilo de surfar. As ondas ocas e pesadas do Píer de Ipanema geraram uma nova safra de surfistas e as ondas de Saquarema eram o campo de provas definitivo, o North Shore do Rio de Janeiro.
Nesta viagem que fiz em agosto de 2015 tive a oportunidade de deixar alguns destes pioneiros contarem as suas histórias. Verdadeiras lições de vida ligadas ao surf. Vamos começar pelo mais velho da turma.

PENHO – PIONEIRISMO, ABRINDO A PICADA
Em 1967 Carlos Eduardo Siqueira Soares se jogou pelo mundo em uma viagem de quase um ano atrás das ondas e voltou para o Brasil com uma prancha revolucionária. No início dos anos 1970 já foi morar em Saquarema, montando uma fábrica de pranchas lá. Ele também foi o primeiro a participar de campeonatos de surf internacionais. Vamos conhecer um pouco de sua história e do seu legado:

(perfil de Penho contado por ele próprio)...
Tudo que está em negrito ele disse:
PENHO – “Nasci em 17 de março de 1946, na cidade do Rio de Janeiro. Tenho descendência árabe e também portuguesa, meu pai médico, tinha uma clínica em Botafogo e minha mãe era professora de educação física. Ela me colocou para nadar desde muito cedo no Fluminense. Eu ia todos os dias, desde as 5 horas da manhã até as 7. Dali eu saia para estudar no Colégio Andrews, que era também na praia do Botafogo. Tinha vezes que a gente matava aula, pegava a lancha e ia passear pela Baía da Guanabara, na Urca e às vezes ia até Niterói.
O surf apareceu nesse contexto, não tinha nada para fazer naquela época, eu praticava natação. Meu pai falou: ‘Se você vai ficar à toa aí, então vai ser escoteiro’, aí que aprendi os princípios de ecologia e hiking. Fiquei uns dois a três anos com um grupo de escoteiros lá em Botafogo, íamos assistir missa, fazer aquelas caminhadas, onde hoje tem estas favelas, na época era tudo trilha. Subíamos pelo Morro de Santa Marta, íamos até a Vista Chinesa, depois a Pedra da Gávea (3 dias – dormíamos 2 noites). Em um final de semana fazíamos toda essa caminhada. Isso eu tinha uns 13 anos. O equipamento era todo militar, tinha aquelas lonas. Com isso fui pegando um bom preparo. Hoje a turma chama de turismo ecológico. Isso nos deu uma base muito boa para sobreviver no mato, levávamos mantimentos, ferramentas. Com o escotismo você tem várias especialidades. Você vai ganhando aquelas estrelinhas. Eu me especializei em natação e enfermagem, que vinha do meu pai. Eu também gostava de sinalização.
Eu vivia em Copacabana, porque eu tinha uma prima que morava em um apartamento ali, depois ela virou até tenista, também era do Fluminense. Comecei a pegar ondas de peito. Depois passei a pegar ondas com uma prancha que fizemos lá no Espírito Santo, minha mãe tinha uma casa de veraneio e nós fizemos uma prancha. Eu tenho ela até hoje.
 A PRANCHA QUE PENHO MANTEVE GUARDADA NO ESPÍRITO SANTO
FOTO: WADY MANSUR

PENHO: “Essa prancha eu fiz pela revista Mecânica Popular. Lá em Guarapari tinha um carpinteiro e eu levei a revista e ele copiou pela planta. Eu pegava deitado. Passávamos o verão lá. Ficávamos na praia de Guarapari, a casa era lá. Mergulhávamos para pegar lagostas, a dois metros de profundidade, tinha muita lagosta. E tinha aqueles recifes de coral, algumas bancadas. Mais ou menos uns 20 quilômetros antes de Guarapari já começam a aflorar algumas bancadas mais perto da costa. E tinha umas ondinhas que quebravam. A gente remava sentado. Naquelas ondinhas em cima daquele coral eu tentava ficar em pé. Mas a prancha não tinha direção, era sem quilha. Eu comecei a surfar lá.
PENHO DE PÉ AO CENTRO, GUARAPARI - ES

Isso foi no meio dos anos 60. Eu não tinha visto as pranchas de madeirite, pois esse pessoal ficava mais para o Posto 6 e o Arpoador, eu ficava mais para o meio da praia de Copacabana; Posto 4. Eu morava no Botafogo, a gente atravessava o túnel, pegava o bonde ali e ia até a praia, jogava vôlei, brincava de skimboard. Um dia fui andando até o Posto 6 e vi um cara surfando de pé. Era o Barriga (Irencyr Beltrão), ele estava com o Badué. Aí que eu pensei em trazer minha prancha do Espírito Santo para tentar também. A minha era meio uma SUP, um stand up.”

INVENTIVIDADE DESDE O INÍCIO
Desde muito jovem Penho já flertou com a criação de pranchas, suas duas grandes paixões são as pranchas e os carros adaptados, até hoje ele guarda um antigo buggy em sua casa de Saquarema e também tem duas verdadeiras relíquias, pranchas fabricadas ainda nos anos 60. Além da prancha no estilo das de Tom Blake (ocas) ele também desenhou uma prancha tipo um bodyboard, bem antes de Tom Morey ter inventado os Morey Boogies, dá para reparar que o outline é muito parecido com as pranchas atuais de bodyboard, mas ele produziu essa com madeira compensada e adaptou uma quilha para dar direção. A prancha que ele fez antes foi a maior e sem quilha, também usava para surfar deitado. Elas ficaram em Guarapari durante muitos anos e foram trazidas para o Rio recentemente.

JACQUES NERY REGISTRANDO UMA DAS CRIAÇÕES DE PENHO DOS ANOS 1960
FOTO: DRAGÃO 2015

A maioria do pessoal pegava de jacaré, naquelas tabuinhas. Eu vi vários skimboards e às vezes a gente aparafusava uma quilha e virava um morey boogie – igualzinho a um morey boogie só que era feita de compensado e a gente ia deitado. Tinha aquelas pranchas menorzinhas (Oceania) que vendia nas lojas, tipo uma mini alaia. Elas eram boas, mas eram muito estreitas, eu comecei a fazer algumas maiores. Eu mesmo montei, comprava um compensado no Rio, tinha umas carpintarias ali. Eu comecei a fazer umas pranchas maiores, mais largas, que a gente usava como skimboard e a gente aparafusava uma quilha pequeninha (também tenho essa prancha guardada, ela ficou lá no ES e eu trouxe para cá). Eu molhava elas e colocava no sol para envergar com uma pedra. Uma leve envergadura no bico. Com essa pequena quilha a gente conseguia pegar de joelho. Mas surfando mesmo não tinha mais ninguém. De todo mundo, de toda família, eu era o único maluco.
E eu acabei não trazendo estas pranchas para o Rio naquela ocasião, porque eles (a turma do surf do Arpoador) me mostraram um cara que fazia aqui no Rio. Fiz uma ali na Francisco Otaviano, meu pai me deu o dinheiro, eu mandei fazer, ela era toda de cedro, tinha uns 2,20 metros, era o padrão do Irencyr. Depois que ela ficou pronta comecei a ficar pegando ondas com o pessoal do Arpoador e me enturmei. Depois o Irencyr me levou na Ilha do Governador e fiz uma de compensado naval, que era bem melhor.

AS PRANCHAS DE FIBRA
A partir de 1964 Irencyr, com o irmão Cyro Beltrão e o Arduíno Colassanti, já estavam fazendo as primeiras pranchas de fibra. E eu decidi fazer uma também. Eu tinha um tio que tinha uma fábrica que trabalhava com laminação de fibra de vidro. E fizemos o shape na varanda da casa daquela minha prima que morava em Copacabana, enchemos a casa toda de poeira, era de isopor, ainda não tinha poliuretano e depois levamos para este meu tio, para ele fazer a laminação com pistola. Aí que deu o problema, porque a resina era de poliéster e ela come o isopor. Ela ficou linda, demos uma resina ‘hot coat’ e tive de cair de lixa forte e depois levamos para pintar na oficina de um amigo, com tinta automotiva. Ela ficou muito bonita e quando eu cheguei na praia o Arduíno, todo mundo, ficou impressionado. A prancha ficou um visual, mas nesse dia fomos surfar no Posto 6, e fomos estrear ela, as ondas estavam quebrando no Baixio, no Posto 5, muito grande e quando eu saí do mar ela estava pesando três vezes mais, tinha ficado com umas partes ocas, porque a resina havia comido o isopor.
Eu pensei, o jeito mesmo é filar as pranchas dos outros. Aí veio o Russell (Coffin), o Richard e o seu irmão Alemãozinho, Andreas Klien. Eles tinham as primeiras pranchas importadas. Ficavam uns três ou quatro para usar a mesma prancha, cada um:
‘É a minha vez!’
‘Agora sou eu’.  

O Armando Serra, foi ele que descobriu que tinha isso aqui (Saquarema), porque eu sempre passava direto para Guarapari. Eu nunca entrava em Bacaxá. A gente ia para Búzios, ou Cabo Frio e passava direto pela BR. Ele veio pescar aqui e disse que tinha onda. Eu acabei vindo um dia para ficar na casa da Patrícia, ou das irmãs Monica e Viviane Sampaio, junto com o Russell. Era uma turma pequena naquela época no Arpoador. No final do ano a gente costumava vir para cá na casa do Bento, o Bentinho nem tinha nascido na época.”

Para aqueles surfistas pioneiros da turma do Arpoador, no final dos anos 60 Saquarema era a fuga da cidade grande. Ir até lá e encontrar aquelas ondas perfeitas, a água azul, o canal para varar e chegar no fundo, era o sonho. Mas Carlos Penho não se contentou com isso. No Rio ele havia conhecido alguns amigos peruanos, que nem eram surfistas, mas que conheciam e eram parentes dos grandes surfistas de Lima. Lá foi ele...

A VIAGEM
Em busca da emoção de uma surf trip.
PENHO: “Eu fui primeiro para o Peru, por Santa Cruz de La Sierra, saí do Brasil em Junho de 1967, fui de trem, desci em Lima e fui procurar um pessoal que já era amigo meu, eles já tinham vindo ao Brasil. Eles não eram surfistas, mas falavam que os primos deles eram os campeões. Eram o Sérgio ‘Gordo’ e o Carlos ‘Flaco’ Barreda. Os primos me levaram lá e os caras me adotaram, eu fiquei morando com eles e pegando ondas. Aí que eu comecei a consertar pranchas e mexer com resina. Ficávamos ali no Club Waikiki e dali pegávamos ondas em frente. Hoje em dia tem uma avenida ali, mas na época não tinha, aquilo era um buraco, um barranco.

LIMA, PERU 1967. FOTO: ACERVO PENHO
Eu fiquei lá uns oito meses. Aprendi a consertar pranchas e pegar ondas mesmo, enfrentar o mar. Já entrava em Punta Rocas grande; grande que eu digo é 10 pés. Eu não tinha prática, os peruanos eram bons – campeões. Felipe Pomar já era campeão mundial do World Contest de 1965.
Nós fomos de carro para o Norte, desde Lima, passamos por Chicama. Fomos em quatro carros, eu, Gordo, Flaco. Tinha um piloto que pegava ondas e ele havia visto Chicama lá de cima. Nós fomos. Foi a primeira vez que um grupo foi até lá, estava o Hector Velarde, foi ele que sobrevoou e nós fomos em quatro carros. O Gordo, Flaco, Chino Malpartida, foi a primeira vez que eles estavam indo para lá e eu fui junto. Depois eles voltaram para Lima e eu fui com dois americanos até o Equador, atravessamos a fronteira e depois pegamos uma balsa para cruzar o golfo de Guayaquil.
Fui para o Equador, em setembro de 1967, sabíamos que havia uma menina surfista, a Dorothy e que faziam pranchas na fazenda dela, em um lugar chamado Las Playas. Ela e a mãe tinham uma carpintaria na fazenda e os carpinteiros faziam pranchas de madeira balsa. Las Playas é um point super-lateral, do outro lado do Golfo de Guayaquil. A Dorothy era a única menina que pegava ondas. Ela era amiga das duas irmãs do Gordo e do Flaco e a mãe dos Barreda também pegava onda. Eles já tinham toda uma tradição, o pessoal era bem classe alta, eram descendentes de espanhóis, tinham carros importados. Eu fui conhecer por causa deste contato que tive aqui no Rio. Eu tive uma certa guarida boa lá.
DOROTHY JURADO EM ABERTURA DE MATÉRIA PARA THE SURFER’S JOURNAL

Naquela época eu nem conheci Punta Montañita, só sobrevoando, porque eles tinham um aviãozinho na fazenda, nós sobrevoamos o point, mas acho que nem tinha nome ainda. Lá em Las Playas havia um cassino e tinha essa fazenda da família, como eles fabricavam estas pranchas, lá eu conheci o Dennis Choate que era um shaper americano.
Teve uma outra vez que fomos dar a volta no Golfo de Gauyaquil. É como você dar a volta aqui na Baía da Guanabara, é muito grande. Mas isso foi uma burrice, porque tinha guerrilha lá e quase fomos assaltados, os americanos estavam juntos, acharam que a gente tinha dinheiro. Naquela época já era assim. Não se dá a volta no Golfo de Guayaquil, é melhor atravessar direto de balsa.
No Peru também conheci o Felipe Pomar e o Ivo Hanza. Eles eram bons, se não fosse por eles eu não teria pego aquelas ondas grandes no Hawaii, eles eram os melhores pegadores de ondas grandes no Peru. Quando chegamos no Hawaii ficamos juntos, às vezes eles dormiam no carro comigo. Pegávamos ondas juntos, chegaram lá com o Hector Grissole ele e Ivo chegaram juntos. Nó três entramos no campeonato de Makaha. Éramos três sul americanos.”

RECORTE DE JORNAL DO HAWAII DE 1967, ACERVO DE PENHO

RUMO AO HAWAII PELA CALIFA

Quando Penho voltou para Lima já tinha um clima de campeonato, que ia acontecer, mas ele não chegou a ficar para o evento Internacional de Tablas Havaianas. Em novembro de 1967 ele deu entrada nos EUA.
PENHO: “Aqui no Rio eu também fiz bons contatos, não só com peruanos, mas também com americanos, do Equador eu voltei a Lima e depois peguei um avião para Nova Orleans. Eu trabalhei no Peru, meu pai me ajudou também. Cheguei em Nova Orleans, de lá fui até a Flórida e visitei alguns surfistas, que eu conhecia do Brasil, porque eles tinham vindo aqui. Eu tinha um conhecido. Dali eu atravessei até a Califórnia de carona, levou quase um mês. Fui de carona, perigoso pra caramba – ‘Não faça isso nunca’. Pelo Sul. Ninguém me avisou que era perigoso, passar por Novo México, Texas... Os caras dão duras mesmo, tomei altas duras. Fui espancado, mas consegui chegar na Califórnia.
Fui na casa do Peter Johnson, que era um molequezinho, que tinha ficado aqui no Brasil, fazendo um Exchange Student (intercâmbio). E na época ele me falou, ‘Não, você vai lá’, e quando eu cheguei lá ele não estava. Ele estava fazendo um filme em Waimea, o Ride The Wild Surf – Mar Raivoso, na época que veio ao Brasil ele tinha 15 anos. E ele estava fazendo este filme. A mãe dele falou, que ele não estava e me mandou embora. Eu fui andando, eu pensei: ‘Pô tô fudido, sem dinheiro... Vou ficar na merda’, mas aí ela me chamou de novo e perguntou: ‘É você aqui nessa foto?’ E tinha eu e ele, o Peter Johnson, em um calhambeque que eu tinha, um Ford 1934, o carro daquela foto do Tito que ficou conhecida, com uma galera no carro no Arpoador. O Peter Johnson não está naquela foto, mas naquela época que ele veio nós fomos até Cabo Frio uma vez e brincando, ele fez uma foto, na praia e a mãe do Peter estava com uma foto minha e dele. Aí ela falou: ‘Não, entre aí’... E me deu uma guarida. ‘É você esse aqui? Ele falou muito bem de você’. Porque o Peter ficava com a gente aqui, andou no meu carro. E eu nunca pensei que ia chegar lá na Califórnia um dia.

FORD 1934 DO PENHO
FOTOS RETIRADAS DE SEU FACEBOOK
GALERA DO ARPOADOR NO FORD V8 DE PENHO
FOTO: TITO ROSEMBERG

Quando eu cheguei na Califórnia eu liguei para o Russell Coffin, ele estava estudando lá. Eu estava praticamente morto, estressado da viagem e quando cheguei lá ele e os amigos da faculdade falaram, ‘Você é louco, nem os americanos fazem isso’, pedem carona por ali, mas aí eu já tinha feito, dane-se. E nessa estadia com a mãe do Peter Johnson, ela era a presidente do WindanSea Surf Club, na Califórnia e ela falou, que eu ia para o Hawaii e conseguiu a passagem para mim. A passagem custou US$ 67.00, eu tenho esta passagem até hoje. Era um ticket só de ida - stand by - se tiver vaga você entra no vôo. Ela me inscreveu no Campeonato Mundial de Makaha. Foi até ridículo, porque eu era um principiante, mas entrei. E foi o maior mar que havia dado no campeonato de Makaha, foi um horror. Eu cheguei lá quase em cima do campeonato, ainda tive de fazer uma prancha, eu fiquei no North Shore, em Sunset, mas não tinha hotel, não tinha nada. E lá tinha a fábrica da Pacific Surfboards e eu fiquei trabalhando como lixador lá.  Eu morava num carro ali no North Shore, em Sunset mesmo. Eu dormia ali no estacionamento. Depois, no Natal, o Russell veio me visitar.
 
RUSSELL COFFIN, O PERUANO IVO HANZA E PENHO EM SUNSET
FOTO ACERVO DE PENHO

Na Pacific Surfboards trabalhava de dia como lixador e a noite eu shapeava e fiz uma prancha para mim. Paguei US$ 150 e um cara cobriu ela, eu fiz uma baby gun, 9’7”. Que era ótima e eu comecei a treinar, treinar. Cheguei lá em novembro de 1967 e o campeonato era em dezembro. Ali eu passei mais um mês e pouco até o início de 1968 e depois voltei, primeiro para o Peru.
Quando eu estava trabalhando nessa fábrica da Pacific Surfboards, as pranchas começaram a mudar, chegaram os australianos e eles usavam pranchas diferentes no campeonato do Duke Kahanamoku, em Sunset, que foi mais para o final da temporada, mas já em novembro eles trouxeram umas pranchas menores, tamanho 8’5”. Vieram o Bob McTavish, o Nat Young e mais uns dois. E eles arrebentaram e os havaianos ficaram doidos, ficaram malucos – ‘O que é isso?’
E aí a minha prancha quebra, então eu fui na Pacific, descasquei ela, peguei aquele mesmo bloco e shapeei um 7’2”. O pessoal riu pra caramba, mas já estava acontecendo este movimento, principalmente na Austrália. Eu falei, vou fazer uma 7’2” e fiz. Aí eu fui experimentar ela em Sunset e funcionou. Ela andou, o pessoal ficou meio assim... Uma semana depois estava todo mundo fazendo pranchas pequenas. Reduzindo. Não cortando blocos maiores, porque eles tinham o poliuretano à disposição. Dos australianos eu peguei a ideia, os caras da oficina riram, mas acabaram fazendo do mesmo jeito. Aí eu trouxe esta prancha para o Brasil.

PENHO NO EPICENTRO DA REVOLUÇÃO
A chegada de Penho ao Hawaii coincidiu com uma virada histórica no modo de surfar, um turning point, a Shortboard Revolution. Foi o momento em que as pranchas começaram a diminuir de tamanho e o surf mudou de linhas desenhadas e caminhadas até o bico da prancha, para manobras, cada vez mais acentuadas, procurando atacar a base e o lip das ondas, permitiam ficar mais fundo nos tubos. Estas novas pranchas possibilitavam um surf nunca visto. Como em toda a revolução, alguns foram a favor e outros contra, mas nada consegue parar a caminhada inexorável do progresso. Penho aderiu. Auxiliado por um shaper que trabalhava na mesma fábrica que ele, fez a prancha que também mudaria a história do surf brasileiro.

JOHN MOBLEY, FOTO QUE KOJIN GARIMPOU NA INTERNET E ME MANDOU

PENHO: “Esse shape eu fiz com a ajuda de um dos shapers da Pacific Surfboards, John Mobley e também de Mike Turkington, um salva-vidas, que trabalhava lá. Mike era um cara espetacular, bom surfista. Ele tinha uma Kombi, dava carona para mim. E ele resolveu fazer uma 5’8”, que ele usava como um morey boogie, com pé de pato. E estas foram as duas primeiras pranchas menores do North Shore, a minha 7’2” e essa 5’8”. Na primeira vez caímos juntos. Levei um tempão para chegar lá fora, perdi a prancha, era tudo sem cordinha na época. Na primeira onda eu desci e caí de costas. Na próxima eu já pensei, vou virar devagar e nessa segunda onda eu já estava entubando em Sunset e estava o George Downing e outros coroas lá. Foi tão impressionante, que todo mundo começou a fazer estas pranchas.
O fato é que essa prancha funcionou – hoje em dia essa prancha 7’2” é uma gun. Comecei a pegar Pipeline com ela, quase ninguém surfava em Pipeline em 1968. Logo quem veio fazer pranchas na mesma fábrica, com o mesmo shaper que me ajudou, o John Mobley, foram o Michael Ho e Reno Abellira, nós ficávamos os três pegando ondas ali com aquelas pranchas pequenas. Eles eram dois molequinhos locais que moravam por perto”.

“””BOA FRASE PARA DESTAQUE “””
O mais importante disso tudo foi - eu, brasileiro, garoto, quase sem experiência nenhuma, ter feito ali naquele momento uma prancha menor, que apesar da gozação que foi feita na época, ela funcionou.
“””BOA FRASE PARA DESTAQUE “””

O processo de concretização da Shorthboard Revolution foi paulatino e distribuído geograficamente pelo planeta. Ao mesmo tempo em que os australianos chegaram com ideias novas, na ilha de Maui o shaper Dick Brewer também trabalhava com suas versões de pranchas de vanguarda. No campeonato mundial de Porto Rico, em fevereiro de 1968, ocorreu a maior diversidade de pranchas utilizadas pelos melhores surfistas, em um mesmo evento. O campeonato acabou vencido por Fred Hemmings, um havaiano que ainda surfava com longboards tradicionais. Os surfistas que chocaram tudo, foram os australianos Wayne Lynch e Nat Young (favorito), que era o defensor do título de 1966, pois este evento, o World Contest, era realizado a cada dois anos naquela época. Reno Abellira apareceu com a prancha mais radical e menor entre os competidores, uma pin tail muito pequena. Em 1968 não havia nenhum brasileiro lá.
Independente disso, Penho foi instrumental ao introduzir o surf com as mini models nas águas da América do Sul.

PENHO: “Fiquei uns seis meses no Hawaii. Quando acabou o Duke Kahanamoku, que foi o último campeonato, esvaziou bastante. Eu tinha um amigo em Waikiki e às vezes eu ia para lá e ficava na casa dele, fiquei pelo South Shore, Ala Moana... Em Waikiki, surfei em todos os lugares. E aí estava acabando a temporada de ondas. Na verdade, onda sempre tem lá.
Eu trouxe essa prancha 7’2”, voltei para o Peru e eu fiz pranchas para o Gordo, para o Flaco, todas menores. Teve um campeonato lá que eu entrei, fui bem. Eu que introduzi as mini models no Peru. Eles quiseram que eu fizesse do meu jeito, fiz uma para o Flaco, uma para o Gordo, outra para o Chino Malpartida, outra para o Ivan Sardá e todo mundo começou a arrepiar. Aí acabou! O Flaco começou a shapear mini models também. Passei mais uns dois meses lá e voltei para o Brasil.
Quando eu estava no Peru também fiz para mim uma prancha baby gun igualzinha à minha 9’7” que havia quebrado no Hawaii. Aí eu trouxe as duas em um saco para o Brasil. Isso não podia, mas eu havia trazido um recorte de jornal que dizia: ‘Primeiro brasileiro em um campeonato de surf’, mostrei na alfândega e deixaram eu passar. Foi a primeira importação sem documento, nem nada.
Chegou aqui no Brasil, eu arrebentei.”

Por sorte, nossa (da comunidade do surf brasileiro), Penho guarda uma pasta com muitas fotos, recortes e lembranças. Ele atribui isso à sua mãe, que também tinha o vício de guardar relíquias e tudo que o filho mandava das viagens, ela guardou. Entre estas preciosidades está o primeiro passaporte de Carlos Eduardo Siqueira Soares. Nele podemos encontrar todas estas datas com os carimbos de entrada e saída dos países. O dia exato em que Penho voltou ao Brasil, trazendo esta mini model, foi em abril de 1968.



Realmente ele deve ter arrebentado, quem já viajou para o Peru e principalmente para o Hawaii, sabe que o nível de surf após uma viagem destas sobe para a estratosfera. Penho saiu do Brasil em junho de 1967, voltou em abril de 1968, surfou com Felipe Pomar, Ivo “Gringo” Hanza, os irmãos Barreda, Reno Abellira, Michael Ho, Mike Turkington, George Downing, Eddie Aikau... Os amigos do Arpoador certamente entraram em choque com as coisas que ele devia fazer naquela prancha.
O grande amigo de Penho, de longa data e sempre companheiro em Saquarema, Otávio Pacheco, resumiu bem, em uma única frase, o impacto desta prancha para o surf brasileiro: “Menos prancha, mais emoção”. Aos poucos os surfistas brasileiros foram se adaptando a esta nova era do surf.
Este é o lado bom de uma história de evolução de nosso adorado esporte. O lado negro foi uma “queima de arquivo” sem precedentes. No Hawaii, como Penho citou acima, eles tinham fartura de blocos da Clark Foam, aqui no Brasil, em 1968 \ 1969 pobres pranchões, lindíssimas pranchas nacionais e importadas, foram descascadas e trucidadas para virar pranchinhas, a coqueluche, para quem queria surfar bem e moderno. Exceto poucas peças particulares e as que estão nos museus de Santos, Rio de Janeiro e Cabo Frio, são raros os longboards originais preservados em nosso país.

A HISTÓRIA CONTINUOU
Quando chegou de volta ao Brasil Penho decidiu então montar uma fabriqueta (como ele mesmo fala) de pranchas. Começou no Rio, foi para Guaratiba e depois Saquarema. Hoje, na casa onde vive em Saquarema, muitas relíquias podem ser encontradas:
PENHO: “Um dia encontrei um boleto da passagem da Land Rover do Tito Rosemberg de uma viagem que eu fiz com ele para a África, por Málaga. Tudo marcado, com peso do carro e isso veio parar dentro de um mapa meu da Europa. O Tito não acreditou quando contei.
Eu guardo as coisas. Mas foi a minha mãe que guardou tudo isso. O que eu mandava para ela pelo correio. Eu não teria guardado e ela deu o maior valor. Minha mãe, como professora de educação física, também gostava de surfistas, meu pai já ‘Hummm...’, não ligava muito. Minha mãe não dava muita força, mas também não era contra, mas a turma toda, os parentes, achavam que éramos todos maconheiros, vagabundos. No começo não tinha nem maconha, nem birita, no máximo eram umas Cuba Libres que a gente tomava nas festinhas. No Castelinho.
Outro dia achei um papel escrito: Primeiro Campeonato no Brasil, quem ganhou foi o Alexandre Bastos. Achei um papel que minha mãe tinha guardado, um recorte de jornal, estava lá. O campeonato foi no Arpoador e a festa foi no Castelinho. Mandei para o Alexandre. ‘Pô como que você tem isso?’ Minha mãe guardou. Eu acho que tem até a data. Marcelo e Antônio Rabello, que eram dois irmãos, Alexandre e a Cristina Bastos, Eliana, Maria Helena, Fernanda Guerra, Persegue eu... éramos da mesma idade. Walcir, que faleceu. Se contar bem, tinha uma turma de uns 10 que pegavam onda sempre. Ganhávamos medalhas. O Geraldo que também faleceu era um dos surfistas que mais se destacava, o Persegue e o Alexandre Bastos eram os melhores, em termos de estilo, porque performance na época nem avaliávamos muito, eram uns 2 a 3 movimentos, só. Dropou, correu para o bico, voltou e tirou a prancha da onda. Isso contava no estilo e eles dois tinham o estilo muito bonito.
Em 1972 fomos eu, Mudinho, Rico e Domenechi, participamos do campeonato de Punta Rocas, Campeonato Mundial de Tablas Havaianas. Aí todo mundo começou a ir. O pôster eu doei para o Museu de Cabo Frio.

JULGAMENTO EM CADEIRÕES. PENHO, O ÚNICO OLHANDO EM DIREÇÃO À CAMERA DE KLAUS MITTELDORF, LADEADO PELOS IRMÃOS RICARDO E PAULO ISSA. UBATUBA INÍCIO DOS ANOS 1970

O Paulo Issa me chamou para ajudar a julgar os primeiros campeonatos de Ubatuba. Quando eu fui nem existia a Rio-Santos, estava em construção e naquela época, 1972, eu estava morando em Guaratiba e tinha um Buggy. Eu saí do Arpoador e fui morar em Barra de Guaratiba, em frente ao point. Aí eu fiquei lá um ano e nesse um ano foi todo mundo, foi o Rico, Maraca, foi todo mundo para lá. Eu fui o primeiro, fiquei sozinho lá. Pegava minhas ondas. Quem ia muito no início era o Pauleti e o Ceceu Pimentel. Aí eu comecei a fazer pranchas para o pessoal local, fiz para o Riba, para o Bira, para o pessoal de Guaratiba, que eram os filhos dos militares dali. Depois o pessoal do Rio começou a ir morar lá, Maraca, Rico, foi o Kaneca, um montão de gente. Aí fizeram a pista nova asfaltada e crowdeou.
Tudo isso aí se pode resumir em uma coisa: Eu estava fugindo do Arpoador, que tinha os militares, porque todas as pontas são estratégicas, o Exército domina. Dali eu fui para Barra de Guaratiba e quando fizeram a pista também me prenderam lá, por culpa dos outros que invadiram. E eu falei, não quero mais morar num lugar destes, eu quero morar em um lugar que não tenha exército. E eu vim morar aqui em Saquarema, onde só tinha essa igreja, já em 1971, ou até 1970. Foi para fugir disso. Aí eu vim para cá porque já tinha esta aptidão de escoteiro e eu podia ficar em qualquer lugar, acampar, o que fosse, eu morava sem luz, fazia fogueira. Eu fiquei morando aqui muitos anos, depois veio o Maraca, veio o Otávio.
O Maraca sabe esta história toda... de lá para cá”.

BOX MARACA – o segundo a ir ao HAWAII
Rossini Maranhão Filho, o Maraca, também merece uma matéria especial com as suas façanhas e seu jeito colorido de contar as histórias em que se envolveu. Nascido em Belém do Pará, em 3 de março de 1950, ele é quatro anos mais novo do que Penho. Mas Maraca foi o segundo brasileiro a se atirar em direção ao Hawaii, isso na temporada 1969\1970, ele era o único brasileiro no North Shore, naquele ano.

MARACA, 2015, COM PENHO E OTÁVIO, NA CASA DE JACQUES NERY EM SAQUAREMA
FOTO: DRAGÃO

VIVO E CHEIO DE IDEIAS E HISTÓRIAS (quando escrevi isso)

Maraca se mudou para o Rio de Janeiro em 1956 e começou a frequentar Copacabana aos 6 anos de idade. Hoje trabalha em uma rádio de Bacaxá, mora perto da lagoa de Saquarema, é um especialista em jingles, esteve envolvido na realização da maioria dos campeonatos que rolaram em Itaúna, também, ao lado de Otávio Pacheco, foi o responsável pelos eventos de longboard da Red Bull em Maresias e na praia do Pepê, além do Red Bull Tube & Air, em Fernando de Noronha. Sua vida daria um livro, com certeza vai dar, mas aqui, em um pequeno box para esta matéria, fica o relato de sua aventura em Sunset Beach, fechando o canal, ao lado de Eddie Aikau, dias antes do maior swell da história bater no North Shore de Oahu no final de 1969 e transformar Greg Noll no primeiro mito do surf. Com a palavra Rossini Maranhão Filho.
MARACA: “Eu cheguei lá em setembro e saí de lá já era quase março, no final de fevereiro. Nos primeiros dias, até outubro, eu estava ainda meio cru naquelas mórras. Muita ondulação de norte, swells meio traiçoeiros. Você tá lá dentro e vem uma onda lá na casa da cacilda. Aí fui acostumando, pegando ondas de 12 pés, 15 pés, aí teve um dia de 18 pés e eu acabei caindo em Waimea, peguei duas a três ondas.
Lembro que um dia encontrei com o Eddie Aikau e ele falou: ‘Brazila (ele me chamava assim),...
ISSO SAIU NA FLUIR – EDITADO POR ADRIAN KOJIN – FOI A DUPLA FINAL

VEJAM COMO SAIU A MATÉRIA PUBLICADA NA FLUIR EM OUT\2015
FAZENDO O DOWNLOAD E AMPLIANDO É POSSÍVEL LER EM SEU DESKTOP








Nesta viagem de quatro dias em 2015 também estive com outros importantes surfistas.

RUSSELL, OTÁVIO E JACQUES, NA CASA DA FAMÍLIA COFFIN EM SAQUAREMA
FOTO: DRAGÃO

RUSSELL COFFIN
Morador atual do pico, primeiro a trazer uma prancha de fibra de vidro para o Brasil, que foi a protagonista da demonstração emblemática \ transformadora de Peter Troy no Rio e companheiro de Armando Serra nas primeiras expedições a Saquarema.

RUSSELL SURFANDO UM MARAVILHOSO DIA DE ONDAS CONVIDATIVAS EM ITAÚNA
FOTO ARQUIVO PESSOAL


OTÁVIO PACHECO
Anotações da História de Saquarema, os shapers, a fábrica de parafinas... A descoberta e a primeira sessão de surf no Jaconé.
OTÁVIO TEM DUAS POSTAGENS ESPECIAIS NESTE BLOG
A HISTÓRIA DE JACONÉ ESTÁ NO SEGUNDO POST SOBRE MARACA




JACQUES NERY
Da casa alugada com Pepê e Cauli em Itaúna nos anos 70, à fundação da VISUAL ESPORTIVO na virada de 1979 para 1980. Tenho 3 horas de entrevista gravada com Jacques. Aguardem futuramente neste blog e também enriquecendo o conteúdo do livro. Suas histórias não saíram em lugar nenhum, como muitas outras que tenho em arquivo.

JACQUES – ITAÚNA, 1979. FOTO: NILTON BARBOSA

JACQUES NERY & OTÁVIO PACHECO
POINT DE ITAÚNA 2015
FOTO: DRAGÃO

AINDA falta(va)
FECHO para a matéria como eu havia concebido para a FLUIR
HOJE E SEMPRE SAQUAREMA
PENHO ANOS 2000...
(uma visão geral da importância de SAQUÁ, um pouco de minha visão pessoal, trazendo para a atualidade e os grandes expoentes de hoje em dia: Raoni Monteiro, Leo Neves e Marcos Monteiro... + Chumbinhos \ Yan Guimarães \ Mica \ Alessandra Vieira, Taís Almeida... Isso ficará para o capítulo de meu livro)

AINDA DEI ESTA OPÇÃO PARA KOJIN
Se desejarem colocar uma foto minha de ação (EM SAQUÁ) tem esta do Levy Paiva, de 1997, durante as sessões de free surf do REEF CLASSIC WQS realizado em Itaúna e as finais transferidas para o meio da Vila, quem venceu o campeonato foi Victor Ribas, em final contra o potiguar Danilo Costa.

REPRODUÇÃO DE MEU PERFIL NO SITE DO LIVRO
http://reidragao.wixsite.com/hsurfbr/projects-ca4p
Sempre gostei de testar a arena dos campeonatos que fazia cobertura para a Fluir e nesta época (1997) para a Hardcore. Nos primeiros dias quebraram esquerdas perfeitas no Point de Itaúna. As finais foram em marolas em um banco de areia distante mais de 1 Km da Igreja rumo ao sul, no meio da praia da Vila.

NOTA: ADRIAN foi com esta prancha que peguei uma das melhores ondas de minha vida, no SPEED BOWL de G-LAND, você foi um dos poucos que viu, lá da torre dos juízes. Também em 1997 no dia seguinte ao encerramento do Quiksilver Pro Java.

NOTA 2: Interessante como os brasileiros, mesmo novatos no cenário, participaram de
2 “FIRST TIME” DESCOBERTAS ANTOLÓGICAS DO SURF:
Penho em Chicama
João Príncipe em G-Land.


FOTOS BôNUS – SAQUAREMA STARs

RAONI MONTEIRO NA BARRINHA
IMAGEM CONGELADA DO SITE DA REVISTA HARDCORE

LÉO NEVES
RECORTE DO SITE DA REVISTA SURFAR

MARCOS MONTEIRO, JACONÉ. LAJE DE MANITIBA
FOTO: BETO PAES LEME PUBLICADA NA ALMA SURF

YAN GUIMARÃES NA PRAIA DA VILA
FRAME GRAB DO SITE BANANA WAX

MICA (JEREMIAS DA SILVA), BARRINHA - CANTO DIREITO DE ITAÚNA
FOTO: LUCIANO SANTOS PAULA

 ALESSANDRA VIEIRA
FOTO: LUCIANO SANTOS PAULA

 TAÍS ALMEIDA
FOTO: LUCIANO SANTOS PAULA

 JOÃO VITOR CHUMBINHO
FOTO: PEDRO RODRIGUES

 LUCAS (CHIANCA) CHUMBINHO
FOTO: GUITO MORETO

RAONI MONTEIRO E A PROMESSA DANIEL TEMPLAR
O FUTURO...
IMAGEM RECORTADA DO SITE SURF GURU

Meu livro, já está com seu lançamento adiado para 2018, face aos aportes de ICMS do Projeto Cultural terem sido congelados para este ano e serão abertos apenas a partir de março de 2018.

Continuarei batalhando pela captação dos recursos e tenho certeza que o lançamento deste livro (5 VOLUMES) será meu maior e melhor trabalho em uma carreira que passa dos 30 anos de dedicação à imprensa brasileira de surf.


terça-feira, 19 de setembro de 2017

VITÓRIA EM DOSE DUPLA

Silvana Lima e Filipinho dominam Trestles

Mais um momento histórico e apoteótico para o surf brasileiro em águas da Califórnia. E a euforia cruza os USA “coast to coast” até os Outer Banks da Carolina do Norte e depois cruza o Oceano Atlântico até Marrocos e a perna europeia do tour (ainda em curso).
RECORTE DE PÁGINA DA WSL NA SEGUNDA-FEIRA 18 DE SETEMBRO DE 2017
REPAREM NA COLUNA DA DIREITA, VENCEDORES DE EVENTOS, SÓ DÁ BRASIL

Primeiro gostaria de ressaltar a importância e grandeza do momento para o surf profissional brasileiro. Nunca, nem no Brasil, conseguimos ocupar em uma mesma etapa de WCT o topo do pódio feminino e masculino.

VEJAM ESTA IMAGEM QUE RECORTEI DO SITE SURFLINE
FILIPE VOANDO NO TOPO E SILVANA RASGANDO ABAIXO

Destacando as duas vitórias brasileiras na etapa de Trestles. Já havíamos vencido, mais de uma vez, em WQS lá realizados e Neco Padaratz venceu um WCT em Huntington Pier - 1999, com Fabinho Gouveia ao seu lado no pódio (detalhes em link abaixo).

Não tenho apenas boas notícias para esta postagem, a meta de lançar o primeiro dos cinco volumes do livro A GRANDE HISTÓRIA DO SURF BRASILEIRO ainda este ano... deve ser prorrogada mais uma vez, para 2018. A captação do montante necessário de recursos através do PROAC – ICMS no Estado de São Paulo, não foi atingido por enquanto, portanto a meta passa a ser fazer as primeiras vernissages em conjunto com a etapa de Saquarema do WCT. Mas neste nosso país de infinitas surpresas – tudo é possível. Continuem acompanhando o blog.
Meu trabalho de pesquisa persiste e logo abaixo destacarei algumas das postagens históricas relacionadas ao momento atual dos surfistas brasileiros em ritmo de chegada. Na verdade este Blog HISTÓRIAS DO SURF é parte de todo o projeto e ajuda a contar a bela história do surf brasileiro com o resgate de importantes passagens antigas, misturadas com estas grandes façanhas de nossos surfistas na atualidade.
SILVANA LIMA ENTROU E SAIU DO WCT FEMININO POR 3 VEZES, TENACIDADE QUE MUITO POUCOS SURFISTAS (DAS DUAS CATEGORIAS) TIVERAM. EM TESTLES ELA FOI SOBERANA ALTERNANDO ARCOS DE CUTBACKS MUITO PLÁSTICOS, POR VEZES USANDO A MÃO ESQUERDA PARA FAZER O PIVÔ NA PAREDE DA ONDA

E EM OUTRAS OCASIÕES JOGANDO O BRAÇO DIREITO, EM UMA VARIAÇÃO ESTILO LAYBACK, ENCHENDO OS OLHOS DE TODOS E DOS JUÍZES TAMBÉM

A variação de manobras é um dos quesitos básicos para o atleta realçar as notas. Em picos como Trestles essa criatividade conta muito.
Algumas outras informações que compilei sobre Silvana Lima:
- Em 2017 sua média nas ondas do SWATCH PRO em Trestles foi de 16,95
- Esta foi sua quarta vitória em eventos do WCT feminino
- Ela não vencia uma etapa do WCT desde 2010
- Foi duas vezes vice-campeã mundial, venceu o WQS outras tantas e lidera a corrida nesta temporada. Sil não vai parar por aqui.

PARA MAIS INFOS SOBRE O GENIAL FILIPE TOLEDO, ÚNICO SURFISTA A VENCER DUAS ETAPAS DA ELITE (ATÉ AGORA) NESTA TEMPORADA 2017, RECOMENDO A LEITURA DA POSTAGEM LOGO ABAIXO DESTA E:

Filipinho é uma das grandes estrelas do surf brasileiro na atualidade, mas sempre procuro mesclar muitas informações históricas ao lado destas atualidades, que por vezes chegam a ser comoventes.

 
REPRODUÇÃO DE POSTAGEM DE 2017 DO “BLOG DO DRAGÃO – HISTÓRIAS DO SURF”


E para voltar ao tempo presente, sintam a perfeição do mar que quebrou nos Outer Banks da Carolina do Norte com pulsos distantes do destruidor furacão Irma, etapa tradicional bancada pela fábrica de pranchas da Costa Leste WRV (Wave Riding Vehicles). Cheguei a zapear no webcast deste campeonato e... sério, em 5 minutos que fiquei “on line” presenciei mais de 10 tubos, para direita e esquerda. Estupendo!



GABRIEL FARIAS ENTUBOU, VOOU E SÓ NÃO FEZ CHOVER NAS CAROLINAS, AS ONDAS FORAM CONSIDERADAS HISTÓRICAS PARA EVENTOS NA COSTA LESTE DOS EUA. FOTO DE FERGUSON PARA A WSL

Pedro Henrique em 2015 e agora Deivid Silva em 2016 e 2017 (bi), isolaram para nascidos no Brasil a hegemonia deste WQS patrocinado por um Shopping Center (ANFAPLACE) na região costeira de Casablanca, a legendária cidade marroquina do noroeste da África.

DEIVID SILVA EM FRAME GRAB DA WSL, PRAIA LALLA MERYEM

Para finalizar esta postagem no ambiente recente do WQS, temos duas dobradinhas brasileiros em eventos de 6000 pontos desta temporada e Yago Dora esteve presente nas duas ocasiões. No início do ano, na perna australiana, com Jessé Mendes em Newcastle (procurem postagem de março deste ano para detalhes) e agora com o cearense radicado em Floripa, Michael Rodrigues, os três, plantados de forma firme entre os TOP 5 do WQS da WSL antes do evento 10000 de Cascais e das decisivas etapas do Hawaii.

MICHAEL RODRIGES E YAGO DORA, IMAGEM RECORTADA DO SITE DA WSL

O objetivo deste blog é providenciar para os amigos internautas algumas pitadas esparsas de momentos que marcaram e estão marcando o crescimento do esporte em nosso país e no mundo. Aguardem o livro A GRANDE HISTÓRIA DO SURF BRASILEIRO que virá com inúmeras outras informações que nos enchem de orgulho.

Para buscar mais detalhes: WWW.HSURFBR.COM.BR